quem somos pé na estada e-mail
show-room favoritos home

No Caminho da Via Láctea

Santiago de Compostela

Peregrinar a Santiago de Compostela não é tarefa fácil. O Caminho exige de quem se propõe a faze-lo muita determinação, paciência e sobre tudo muita força de vontade. A cada dia que começa é a certeza de mais dores, bolhas, cansaço físico e mental, exaustão.

Desde o descobrimento da tumba do Apostolo Tiago em Compostela, no século IX, o Caminho de Santiago se converteu na mais importante rota de peregrinação da Europa medieval. Ao passo que os inúmeros peregrinos, movidos por sua fé, se dirigiam a Europa, serviu como ponto de partida para todo o processo artístico, social e econômico que se desenvolveu por toda a extensão do percurso.

 

Peregrinar a Santiago do modo tradicional não é simplesmente uma viajem de turismo ou desportiva por uma rota artística em contato com a natureza. É tudo isso, e muito mais. É também encontrar as raízes religiosas e históricas da Europa, é renovar um caminho de transformação interior, é caminhar ao ritmo dos outros séculos, é ... peregrinar, encontrar-se consigo mesmo.

Passei três anos me preparando para a longa jornada de aproximadamente 800 km, que durou 28 dias, deixei Roncesvalles no dia 23 de maio, quando dei meu primeiro passo, fui tomado por uma grande emoção. Os primeiros dias foram sem duvida cobertos de grandes surpresas e praticamente não sentir dores, até a primeira "prova de fogo" que foi a subida do Monte do Perdão, a trilha estreita que mal cabe os pés, ao lado um declive que a mínima falta de atenção poderia custar todo um sonho de chegar a Santiago, logo no inicio da jornada, a decida é ainda mais perigosa devido as pedras soltas e redondas, um descuido e a queda é inevitável.

O Caminho de Santiago é conhecido como sendo o caminho da vida, e assim, tive tempo para pensar em tudo, nos amigos, na família, no trabalho, etc. Tive tempo para mim, para deslumbrar a arquitetura riquíssima que a idade média nos deixou de herança. Percebi assim que o Caminho não é apenas uma via de transmissão de pessoas, idéias e momentos. Também foi a razão de ser de muitas localidades que cresceram as abrigo e amparo da energia que flui daqueles que por ali passam.

Um dos trechos mais agradáveis é a região da La Rioja, é justamente nele que o peregrino irá encontrar a possibilidade de chegar a um dos lugares místicos do Caminho, Santo Domingo de la Calzadas.

A entrada da Galicia é simplesmente marcante, não só pela exuberância natural, como pelos mistérios que envolvem o Cebreiro e o transformam em um clima de magia, foi lá que senti como somos pequenos diante do cosmos.

A passagem pelo km 100. A partir daqui as distâncias a Santiago se medem pelos quilômetros que ficam para trás a cada passo, ao mesmo tempo que tem um efeito multiplicador sobre a resistência e a fé do peregrino. É o momento de pensar que a agilidade do início começa a fazer a diferença. Mais a Galicia é diferente de tudo e continua nos reservando supressas, aqui encontramos o verdadeiro espirito do Caminho. Já sem muita força para caminhar cheguei ao pueblo ( como são chamados os povoados ) de Ligonde quase a noite e lá encontrei uma família na porta de sua casa que prestou-me assistência, e convidou-nos, eu e Júlio, companheiro do Caminho, para passarmos a noite em seu albergue, tipicamente decorado com ferramentas agrarias. A noite foi servida uma sopa e o hospedeiro junto com sua família, contou-nos algumas histórias de sua vida e do Caminho. Rezei e agradeci por toda aquela simplicidade que nos acolheu, deitado em meu colchão no chão, adormeci perdido em meus pensamentos de que o caminho estava a poucos quilometros do final tão esperado e ao mesmo tempo indesejado.

Santiago é a meta, depois de haver vencido montes, montanhas, desertos, vales, etc. estava prestes a atingir o objetivo. Trinta etapas e 28 dias depois da partida, sem demora o fim estava próximo. As bolhas e as dores agora fazem parte da história, não há nada que impeça o peregrino agora de atingir seu objetivo. O aeroporto, um campo de futebol, aspectos urbanos de uma cidade grande. Pouco importa o quanto se estar próximo. A beleza desta última etapa, se esconde no nosso interior. A entrada em Santiago, emociona, a imponência de sua catedral deslumbra pela riqueza de detalhes na sua arquitetura. É hora de refletir diante do altar sobre todo o Caminho, agradecendo pelas pessoas que conhecemos e nos ajudaram de uma forma ou de outra, os erros e os acertos, pela minha esposa e minha filha que souberam o tempo todo compreender o verdadeiro motivo de peregrinar a Santiago, chego a certeza de que a Santiago sempre se vai, nunca se chega. Utreya!!!!

Por.: Robertson Ribeiro dos Santos.

Fotos.: Robertson Ribeiro dos Santos.

Para saber mais.:

www.caminhodesantiago.com.br